A IMPORTÂNCIA DO EXAME CITOPATOLÓGICO

A citopatologia é a ciência que estuda as células individualmente com o objetivo de detectar alterações morfológicas que auxiliem no diagnostico de doenças. Essa é uma ferramenta fundamental, que ajuda no diagnóstico de tumores, função hormonal e infeções parasitárias. Continue reading “A IMPORTÂNCIA DO EXAME CITOPATOLÓGICO”

Hemograma x “Máquinograma”

Nas últimas décadas observou-se uma grande evolução tecnológica na realização dos exames laboratoriais, e as técnicas manuais foram quase que completamente substituídas por sistemas automatizados que apresentam maior precisão nos resultados e em um menor prazo de tempo. Continue reading “Hemograma x “Máquinograma””

CORONAVIROSE

A Coronavirose – também conhecida como Gastroenterite Contagiosa Canina – é uma doença provocada por um vírus do gênero Coronavírus. Altamente contagioso, ele se desenvolve no intestino dos cães, sendo transmitido pelas fezes infectadas ou pelo contato com qualquer tipo de mucosa ou secreção infectada.  Continue reading “CORONAVIROSE”

DEPRESSÃO FELINA

Por mais que ainda faltem trabalhos que expliquem exatamente o que acontece no cérebro dos animais, é fato que alguns apresentam um distúrbio muito parecido com a depressão que acomete os seres humanos. Embora os bichanos pareçam menos sentimentais, eles também sofrem com esse tipo de problema e merecem atenção especial de seus donos e Médicos Veterinários. Continue reading “DEPRESSÃO FELINA”

TOSSE DOS CANIS

A Traqueobronquite Infecciosa Canina (TIC), mais conhecida como “Tosse dos Canis” é uma doença respiratória relativamente comum e sem maior gravidade que acomete os cães e costuma se desenvolver em lugares onde sua aglomeração é comum, como canis, pet shops, exposições, etc. Continue reading “TOSSE DOS CANIS”

CISTITE EM CÃES E GATOS

A Cistite é uma doença que afeta o trato urinário de cães e gatos. Causada por bactérias, tem como principal alvo a bexiga e pode ser transmitida pelo simples contato entre o animal e o solo infectado na hora de urinar. É comum a Cistite ser chamada simplesmente de infecção urinária. Continue reading “CISTITE EM CÃES E GATOS”

RINOTRAQUEÍTE FELINA – GRIPE DE GATO

A Rinotraqueíte Felina é uma doença causada pelo Herpesvírus. Também conhecida como “gripe de gato”, é uma das principais doenças que atingem o sistema respiratório dos felinos, principalmente os gatos de até 2 anos.

É uma doença de fácil transmissão, podendo ser fatal caso o animal não receba o tratamento adequado. Por isso, caso perceba sintomas como febre, apatia, corrimento nasal e ocular, falta de apetite e até mesmo depressão, PROCURE UM MÉDICO VETERINÁRIO IMEDIATAMENTE.

A maioria dos gatos infectados se tornam portadores assintomáticos, isto é, carregam o vírus ao longo da vida mas não apresentam sintomas. Nesses casos, o vírus se manifesta em situações de baixa imunidade ou de estresse.

Além dos sintomas citados acima, a doença também pode apresentar aftas na boca, salivação e lesões no nariz e na face, além de pneumonia e distúrbios dermatológicos. Nos filhotes, os sintomas geralmente são mais fortes e, na maioria das vezes, levam o animal a óbito.

A principal forma de transmissão da Rinotraqueíte Felina é por meio das secreções nasais e lacrimais, que é por onde o animal elimina o vírus. O contagio também pode ocorrer pelas gotículas de espirro e tosse do animal infectado.

Gatas prenhes também podem transmitir a doença para o feto durante a gestação. Porém, a probabilidade maior neste caso é que a gata não chegue ao fim da gestação, pois a maioria acaba abortando.

O tratamento da Rinotraqueíte Felina consiste basicamente no combate aos sintomas e no fortalecimento do organismo do gato, e SOMENTE O MÉDICO VETERINÁRIO PODERÁ AVALIAR O CASO E ORIENTAR O MELHOR TRATAMENTO CONFORME OS SINTOMAS APRESENTADOS. Reposição de líquido e alimentos por via venosa, utilização de antibióticos e anti-inflamatórios, colírios, etc. estão entre as principais ações adotadas, uma vez que não existe um medicamento que combata diretamente o vírus.

O tempo para recuperação vai depender da gravidade dos sintomas, mas geralmente ocorre entre 20 e 30 dias.

A principal forma de prevenção da Rinotraqueíte Felina é a vacinação. A vacina Quádrupla Felina deve ser aplicada entre os 45 e 60 dias de vida, sempre seguindo a orientação do Médico Veterinário. Evitar o contato do seu bichano com gatos desconhecidos também ajuda na prevenção, uma vez que muitos gatos podem ser portadores do vírus e não apresentarem sintomas.

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA FELINA (FIV)

O Vírus da Imunodeficiência Felina (FIV) pertence à mesma subfamília do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), porém, afeta somente felinos, inclusive os selvagens. Por isso ficou conhecido como “HIV dos gatos”.

Com o sistema imunológico enfraquecido, os gatos com FIV contraem doenças com maior facilidade e sofrem com o maior aparecimento de infecções.

A transmissão ocorre principalmente por meio do contato sanguíneo, transfusões ou brigas entre os bichanos. Pode também ser transmitida no parto.

O FIV é um vírus que afeta felinos de todas as idades, mas estudos apresentam maior acometimento em animais mais velhos, com idade superior a cinco anos. Não há predisposição racial para o FIV. Os machos são mais acometidos, uma vez que a transmissão se dá no ato da mordida, e estes são mais suscetíveis a brigas por território ou para acasalamento, como já foi dito anteriormente.

Após entrar no organismo, os linfócitos são as primeiras células a serem infectadas. Em seguida, o vírus se espalha pelo corpo. Após algum tempo, observa-se diminuição das células brancas no sangue e o animal pode apresentar febre.

Inicialmente, a diminuição das células brancas é resultado da falta de neutrófilos (células que auxiliam na defesa do organismo contra infecções bacterianas) e da perda de determinados linfócitos importantes para o sistema imunológico. O animal pode ter anemia depois de certo tempo.

Se observar comportamento diferente do normal ou febre no seu gatinho, leve-o imediatamente a um Médico Veterinário.

O diagnóstico da FIV é realizado por meio de exames clínicos e laboratoriais. Métodos sorológicos de diagnóstico, são pouco utilizados, pois o nível de vírus circulante geralmente fica abaixo do limite de detecção destes exames. Testes imunoenzimáticos e o teste de Western Blotting são outros dois testes laboratoriais utilizados.

Assim como nos humanos, o Vírus da Imunodeficiência Felina não tem cura. Porém, o animal pode viver muitos anos caso receba o tratamento sintomático correto (que não elimina as infecções, mas trata as infecções oportunistas), alimentação adequada e suplementação vitamínica. Estes fatores certamente ajudarão a para manter o bem-estar do seu gatinho.

Existe vacinação para a FIV, porém, sua eficácia é questionável pelo fato do FIV ser um retrovírus e possuir grande  capacidade recombinante, vindo a produzir novas variantes virais.

Uma boa forma de evitar a contaminação é manter o seu bichano dentro de casa e castrado, isso diminuirá a probabilidade de brigas. Em relação aos felinos selvagens, o ideal é evitar o contato com gatos domésticos.

E lembre-se, só o médico Veterinário poderá diagnosticar e indicar o melhor tratamento para animais contaminados pelo Vírus da Imunodeficiência Felina.

RAIVA FELINA

A Raiva Felina é uma doença infectocontagiosa transmitida por um vírus da família Rhabdoviridae do Gênero Lyssavirus e atinge todas as espécies de mamíferos. Apesar de ser uma doença praticamente erradicada no Brasil, ainda merece destaque pela taxa de mortalidade de 100%. Continue reading “RAIVA FELINA”