VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA FELINA (FIV)

O Vírus da Imunodeficiência Felina (FIV) pertence à mesma subfamília do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), porém, afeta somente felinos, inclusive os selvagens. Por isso ficou conhecido como “HIV dos gatos”.

Com o sistema imunológico enfraquecido, os gatos com FIV contraem doenças com maior facilidade e sofrem com o maior aparecimento de infecções.

A transmissão ocorre principalmente por meio do contato sanguíneo, transfusões ou brigas entre os bichanos. Pode também ser transmitida no parto.

O FIV é um vírus que afeta felinos de todas as idades, mas estudos apresentam maior acometimento em animais mais velhos, com idade superior a cinco anos. Não há predisposição racial para o FIV. Os machos são mais acometidos, uma vez que a transmissão se dá no ato da mordida, e estes são mais suscetíveis a brigas por território ou para acasalamento, como já foi dito anteriormente.

Após entrar no organismo, os linfócitos são as primeiras células a serem infectadas. Em seguida, o vírus se espalha pelo corpo. Após algum tempo, observa-se diminuição das células brancas no sangue e o animal pode apresentar febre.

Inicialmente, a diminuição das células brancas é resultado da falta de neutrófilos (células que auxiliam na defesa do organismo contra infecções bacterianas) e da perda de determinados linfócitos importantes para o sistema imunológico. O animal pode ter anemia depois de certo tempo.

Se observar comportamento diferente do normal ou febre no seu gatinho, leve-o imediatamente a um Médico Veterinário.

O diagnóstico da FIV é realizado por meio de exames clínicos e laboratoriais. Métodos sorológicos de diagnóstico, são pouco utilizados, pois o nível de vírus circulante geralmente fica abaixo do limite de detecção destes exames. Testes imunoenzimáticos e o teste de Western Blotting são outros dois testes laboratoriais utilizados.

Assim como nos humanos, o Vírus da Imunodeficiência Felina não tem cura. Porém, o animal pode viver muitos anos caso receba o tratamento sintomático correto (que não elimina as infecções, mas trata as infecções oportunistas), alimentação adequada e suplementação vitamínica. Estes fatores certamente ajudarão a para manter o bem-estar do seu gatinho.

Existe vacinação para a FIV, porém, sua eficácia é questionável pelo fato do FIV ser um retrovírus e possuir grande  capacidade recombinante, vindo a produzir novas variantes virais.

Uma boa forma de evitar a contaminação é manter o seu bichano dentro de casa e castrado, isso diminuirá a probabilidade de brigas. Em relação aos felinos selvagens, o ideal é evitar o contato com gatos domésticos.

E lembre-se, só o médico Veterinário poderá diagnosticar e indicar o melhor tratamento para animais contaminados pelo Vírus da Imunodeficiência Felina.